Universidade do Minho com as melhores notas no exame a internato médico

05 Novembro 2013

Os médicos formados na Escola de Ciências da Saúde (ECS) da Universidade do Minho são os que apresentam a melhor média na prova de seriação para as especialidades médicas. De acordo com um estudo publicado na Revista Científica da Ordem dos Médicos, os candidatos saídos da ECS obtiveram uma média de 72,33 % nos exames de acesso ao internato realizados no período de 2006 a 2011. Os licenciados na ECS são os que apresentam os melhores resultados na prova de seriação, no conjunto de formados por sete estabelecimentos de ensino superior nacionais e por universidades e escolas médicas estrangeiras.

Da autoria de Isabel Pavão Martins, o estudo ‘Admissão ao Internato Complementar em Portugal: análise dos resultados dos exame nacional de seriação entre 2006 e 2011’ revela que a ECS contribuiu com 3% dos candidatos ao internato complementar naquele período, sendo que os alunos formados na escola minhota e na Universidade da Beira Interior só participaram naquele exame a partir de 2007.

O estudo agora revelado pela Ordem dos Médicos constata que a percentagem de médicos com licenciaturas concluídas em universidades estrangeiras que se candidatam ao exame nacional de seriação tem vindo a crescer. Nos dois últimos anos em análise, os candidatos ‘estrangeiros’ eram 15% do total, ultrapassando, em 2011, o número de candidatos oriundos da Universidade do Minho.

Verificou-se também, nestes últimos anos, um número crescente de portugueses que se licenciam em medicina no estrangeiro e que pretendem regressar ao seu país para a formação pós graduada. A análise dos resultados dos exames nacionais de seriação surge numa altura em que se pondera um novo exame de acesso ao internato complementar.

O actual exame mantém-se inalterado há três décadas, apesar das críticas a um formato que “acaba por promover uma aprendizagem mais superficial e dirigida ao sucesso no exame e não à aquisição de conhecimentos em si”. Com a duração de 150 minutos, o exame consiste num teste escrito com 100 perguntas de escolha múltipla, divididas por cinco áreas da medicina interna e com uma única referência bibliográfica.

O Núcleo de Antigos Estudantes de Medicina (ALUMNI) da Universidade do Minho tem vindo a exigir a alteração do actual modelo de exames de acesso às especialidades médicas. Também a direcção do curso de Medicina da Universidade do Minho tem pugnado por novos modelos de avaliação para o acesso ao internato médico.

Notícia Correio do Minho