Haja Alumni: Cláudia Bento

04 Maio 2021

Atualmente é deputada à Assembleia da República, eleita pelo PSD, e está presente nas Comissões de Cultura e de Saúde. Mas este é apenas um breve período – porque a sua carreira, diz, é ser médica. Estudante da 2ª turma de Medicina, é especialista em Nefrologia desde 2015.

Podemos começar por falar do início do teu percurso em Medicina – na segunda turma do curso na nossa Escola. A área da saúde sempre foi o teu interesse principal?
Desde pequena que o meu objetivo e o meu desejo era ser médica. E sempre lutei para que isso fosse possível. Não consegui entrar em Medicina logo no primeiro ano que me candidatei ao ensino superior por umas décimas, mas voltei a fazer os exames de acesso e consegui entrar na Universidade do Minho em 2002.

A transição do secundário para a universidade foi bastante leve, ligeira e isto porquê? As turmas eram pequenas, tínhamos um piso só para nós, o edifício era novo, tudo topo de gama. Éramos apenas 50 estudantes e ainda éramos divididos em duas turmas, e isto cria um ambiente muito familiar. Por isso é que digo que esta transição foi ligeira e foi bastante positivo.

Uma casa bastante familiar, portanto…
Sim, sim, e é um ponto que devemos valorizar porque é meio caminho andado para nos sentirmos adaptados. Além disso também tínhamos um acompanhamento por parte dos docentes da universidade que nos ajudava muito. Lembro-me que os professores nos conheciam a todos pelo nome.

O aspeto menos positivo que via na altura, que também é importante, foi em relação ao método de ensino. A mim custou-me um bocadinho a auto-aprendizagem, e eu sempre gostei de pesquisar, de investigar, de ir à procura. E eu lembro-me de falar com colegas noutras faculdades e eles tinham, desculpem o termo, a “papinha feita”. Por vezes, como queria saber muito, pesquisava em vários sítios e ficava com a informação importante e com a não importante. Acho que esta também é uma dificuldade que muitos temos, de querer saber tudo.

Seja como for, isto também permite ao aluno desenvolver várias competências para a formação, como a procura, o empenho, o interesse, definir objetivos…

E que memórias ficam desses seis anos?

Nós tínhamos muitas apresentações e eu gostava sempre quando eram os professores a dar, porque conseguiam fazer uma boa síntese. Lembro-me do professor Nuno Sousa por vezes ter de nos “puxar as orelhas” [risos]. Mas sempre a chamar-nos pelo nome todo [risos].

E lembro-me também do professor Jorge Correia-Pinto que usava muitos exemplos e percursos – e a verdade é que ficava na cabeça!

Outra coisa que também achei muito interessante, já não sei bem em que ano foi, era termos um curso muito direcionado para a comunidade. Lembro-me que nos foi atribuída uma família e eu tinha de ir ter com essa família, fazer um inquérito, saber como estavam, fazer um acompanhamento focado. Eu era uma estranha para eles, mas depois à medida que nos fomos conhecendo foi incrível. Estabelecemos uma boa relação, ajudava uma das crianças a fazer os trabalhos de casa – de matemática ou físico-química, já não tenho a certeza. E esse projeto foi uma experiência muito boa e muito importante.

E é o contacto com a nossa comunidade que acaba sempre por ser muito importante para conhecer a realidade.
Sim, é. No início só nos disseram assim: “esta família é constituída por estas pessoas e a morada é esta”. A primeira vez peguei no carro e fui ter à casa. Acharam muito estranho, mas depois correu tão bem que quando ia lá falávamos, percebíamos os problemas que existiam, ajudava a fazer os trabalhos. E sempre que eles tinham algum problema ou alguma dúvida, ligavam-me.

Depois do curso e do internato de ano comum, escolheu Nefrologia. Porquê?

Confesso que o meu sonho sempre foi escolher Medicina Interna. No entanto, os colegas diziam que era uma especialidade muito trabalhosa e tudo mais. Quando fui concorrer, uma vez que sou de cá [Chaves] e como queria voltar para o interior, na altura vi uma vaga em Nefrologia. É uma área que tem muita Medicina Interna e depois se especializa e pareceu-me uma boa opção para conjugar Medicina Interna e uma especialidade mais leve.

Enganei-me completamente [risos]. É uma especialidade mesmo muito trabalhosa, portanto não sei se foi uma boa escolha – mas é uma especialidade muito bonita.

Pelo menos não se arrependeu, certo?

Não, não estou arrependida. Se fosse agora escolhia a mesma opção. É uma área muito importante, com procedimentos de pequena cirurgia, com técnicas muito específicas, com transplantes renais e muitas patologias autoimunes. É uma especialidade mesmo muito rica. Portanto, escolhia novamente Nefrologia. O importante na escolha é sentirmo-nos felizes e realizadas.

A entrada na política nacional dá-se em 2019 na Assembleia da República, apesar de já ter sido deputada municipal em Chaves no período antes. Como é conciliar as áreas?

Neste momento não posso estar a exercer porque não é compatível. Obviamente que também não posso descurar a medicina, porque não havendo prática, não havendo estudo… A medicina está em constante evolução e depois algumas coisas vão-se esquecendo.

E o objetivo não é esquecer, até porque para mim a política não é carreira. A minha carreira é a medicina. Neste momento, tenho de dar o melhor em ambas, mas a política ocupa-me mais tempo.

Como surgiu esta experiência?

Através de um convite e desde 2015 que era deputada na Assembleia Municipal de Chaves. E depois em 2019 fizeram-me o convite, ao qual fiquei muito honrada e com enorme sentido de responsabilidade, e decidi aceitar.

De certa maneira, isto também vai ao encontro da medicina. A medicina tem como objetivo ajudar os outros e tentar fazer o melhor pelos outros. E a política também a vejo dessa maneira. E sendo de uma região do interior tantas vezes esquecida, também posso ajudar as pessoas a ter alguns direitos que esta população tem perdido ao longo do tempo.

E neste momento, é fundamental criar políticas que vão ao encontro das pessoas e, este também é o meu desafio, contribuir para um Serviço Nacional de Saúde a funcionar bem e maior equidade no acesso à saúde.

Pertence à comissão de saúde, o que é fundamental nestas políticas de saúde?

Há várias áreas que considero fundamentais para termos melhores condições e uma melhor saúde. Primeiro, creio que é fundamental haver literacia para a saúde e para o desenvolvimento de práticas protetoras de saúde. Isto porque à medida que vamos envelhecendo, há maior aparecimento de doenças crónicas e estas doenças consomem recursos – e é fundamental que haja literacia e promoção de saúde nesta área.

Neste seguimento, o envelhecimento populacional é uma área em que temos de investir e oferecer apoios na área da saúde mental, por exemplo.

Outra das áreas que tem de ser reforçada, e acho isto fundamental, e a pandemia exibiu as fragilidades estruturais do SNS. Fala-se agora que é muito importante que sejam implementadas medidas de forma a recuperar os atrasos em consultas, cirurgias. E é fundamental dar apoio em saúde mental, através da criação das equipas comunitárias, equipas de continuados na comunidade para a saúde mental. E é importante reforçar com recursos esta área, de forma a que a resposta seja mais abrangente, direcionada e mais rápida.

Falaste na resposta à pandemia. Também estiveste nesse apoio, como voluntária.
A pandemia veio mostrar várias fragilidades, como tinha dito. E todos fazíamos falta. E eu tendo possibilidades, embora seja muito cansativo fazer Chaves-Lisboa-Chaves todas as semanas, senti-me na obrigação e no dever de ajudar os meus colegas e os doentes.

Nós somos formatados a dar o nosso melhor e a ajudar o próximo – e senti esse dever de ajudar e dar um pouco de mim nesta fase.

Por fim, que conselhos para os nossos estudantes e futuros médicos?

Para os meninos – já crescidos… [risos]. Tanto na saúde como na política o fundamental é estarmos realizados profissionalmente. E para isso temos de conciliar a nossa vida pessoal e profissional, irmos à procura e estarmos sempre atualizados.

Eu, e sou uma apaixonada pela medicina, portanto, para mim é uma das coisas mais belas do mundo, mas é uma profissão um pouco desgastante. Exige muito de nós. Temos de ter brio naquilo que fazemos, ser médico implica ter responsabilidade, conhecimento, competência e estar em aprendizagem contínua. Só assim é que podemos ser bons médicos.

A base enquanto médico assenta numa relação médico-paciente e, portanto, nós temos de dar o nosso melhor, para sermos bons. Quando estes jovens fizerem o juramento de Hipócrates, é isso que está lá: tentar fazer o bem e a dedicação ao outro.

 

Texto publicado originalmente na edição n.º10 do HajaSaúde